385- Bons hábitos de vida

A Bioética pretende contribuir para a boa qualidade de vida nas mais variadas circunstâncias relacionadas ao estado de saúde e ás condições do meio ambiente. A Natureza ensinou a humanidade que qualidade de vida exige adaptações, mudanças provisórias ou definitivas de hábitos. No verão, pouca roupa e muita água fria, no inverno, agasalhos e bebida quente; debaixo de chuva. a capa impermeável é bem-vinda, sob sol escaldante vale o bronzeador. A grande altitude estimula a hiper-produção de glóbulos vermelhos, países africanos têm maior taxa de melanina per capita.

A doença, especialmente a de natureza crônica causada por aspectos degenerativos que se exteriorizam na meia-vida/terceira idade, dá a conhecer, igualmente, que novos hábitos são precisos. Depois de utilizar isso e aquilo por anos, ouve-se um não  para isso e aquilo, ou seja, que poluentes entendidos como prazerosos sejam descartados. Nos damos conta que a saúde é um estado transitório despercebido e  percebemos que passamos a metade da vida a estragando e necessitamos da outra metade para consertar o que for possível. Tornamo-nos atores de uma novela de intermináveis capítulos, uns mais risonhos, outros mais lacrimosos.

Tomamos consciência que é fundamental eliminar o que agora fica entendido como maus hábitos, desgraçadamente os mais prazerosos, mas, também, que cada indivíduo tem um limite de correção, um equilíbrio entre versatilidade e obstinação, que se encaixa no sábio princípio da autonomia.

O médico, neste momento, torna-se um mestre de reeducação, instrui, opina, desenvolve processos úteis. O paciente aplica o quanto deseja e pode – aproveitar um conselho requer mais sabedoria do que dá-lo. Cabe a cada um deles usufruir da pós-graduação na disciplina de vida chamada de Habitualidade Aplicada, de acordo com sua força ou sua fraqueza.

Bom diagnóstico!  Boa recomendação terapêutica e preventiva!  Boa aderência?  As exclamações são profissional-dependentes, a interrogação é paciente-dependente. O pó-consulta e o pós-internação hospitalar costumam se um plano inclinado de rigor no cumprimento das recomendações- o inicial entendi perfeitamente doutor e vou fazer– que se vale de boas e fortes razões para mudança- vai sendo substituído com humana frequência de atitudes de descuido. É um agora, porque é só um pouquinho, outro amanhã porque afinal é dia de festa e mais outro no final de semana, porque, afinal de contas viva o fim-de semana.

A melhora do estado de saúde e a sucessão de dias e meses constituem excelentes instrumentos de “apagão” da memória. Porque eu deveria manter a minha promessa de véspera se já não sou o mesmo hoje? É argumento que testemunhamos com frequência.

Todo o esforço deve ser concentrado para encontrar alicerces que sustentem novos e melhores hábitos de vida, que evitem reviravoltas que combinem com a fanfarrice de Oscar Wilde (1854-1900): “consigo resistir a tudo, menos às tentações”, ou com o engraçadinho que diz ” comecei uma dieta, eliminei o álcool, dispensei uns pratos e em quatorze dias perdi duas semanas!”.

É sabido que o princípio do respeito à autonomia pode conflitar com a dualidade dos princípios da beneficência e da não maleficência. Não fumar, reeducar-se na alimentação e praticar atividade física recomendada são atitudes beneficentes em qualquer momento  de uma evolução clínica, muitas vezes tão vantajosas quanto o uso de fármacos. O grande problema é que o maço de cigarro, os alimentos não saudáveis e a tecnologia estimuladora do sedentarismo estão entre nós.  Evidentemente, não cabem proibições autoritárias, mas cabem palavras de conscientização, por exemplo, pelos que praticam a Bioética em níveis de educação primária e secundária, que possam atuar sobre a condição humana e reduzir o impacto negativo para a saúde dos maus hábitos que são facilmente apreendidos na juventude. Aliás, poucas décadas depois do início da divulgação do valor da mudança de certos hábitos de vida,  já há evidências otimistas sobre o crescimento da adesão das gerações mais recentes às recomendações da ciência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *