Enquete 360- O familiar quando o paciente é capaz

introO seguinte diálogo foi contado por um colega que solicitou uma apreciação ética:

Familiar do paciente- Doutor, o paciente tem de vez em quando umas dores na barriga.

Doutor- Ele não me disse nada sobre isso.

Familiar do paciente- Ele deve ter se esquecido.

Doutor- O exame clínico que eu fiz não sugeriu que haja algum problema na barriga dele.

Familiar do paciente- Mas já que ele está internado, o senhor pode pedir?

Doutor- Pedir o que?

Familiar do paciente- Outro dia, o meu irmão fez um ultrassom da barriga, o médico disse que era exame muito útil.

Doutor- Acontece que o paciente está internado porque está com insuficiência respiratória por pneumonia.

Familiar do paciente- Doutor, é para aproveitar, ele está pelo SUS, não é mesmo?

Doutor- Sim, é pelo SUS.

Familiar do paciente- Assim ele aproveita que está no hospital.

Doutor- Não é bem assim.

Familiar do paciente- Não custa nada doutor pedir o exame.

Doutor- Custa muito porque não tem indicação.

Familiar do paciente- Doutor, quem paga é o governo, pelo menos será um dinheiro bem empregado.

Doutor- Desculpe-me, preciso continuar meu trabalho.

Familiar do paciente- O senhor não vai pedir?

Doutor- Não.

Familiar do paciente- Então, eu vou na Ouvidoria e direi que é discriminação porque somos pobres, se o paciente fosse um bam-bam-bam, o doutor não negaria.

A Ouvidoria do hospital encaminhou a reclamação protocolada pelo familiar do paciente para que o médico elaborasse uma resposta  a ser encaminhada ao reclamante. A dúvida do colega é se ele era obrigado a responder para um assim autodenominado familiar, quando o paciente estava capaz, em plena aptidão cognitiva para interagir com o médico a respeito de necessidades de atenção a sua saúde.

Qual deve ser a atitude deste médico para a resposta à Ouvidoria?

Visualizar Resultados

Carregando ... Carregando ...

 

Um comentário sobre “Enquete 360- O familiar quando o paciente é capaz

  1. Claudia Regina Haponczuk de Lemos disse:

    O case apreentado sugere algumas reflexões:
    1. O acesso a saúde, apesar de ser um direito constitucional, sofre carências de recursos e excesso de demanda. Compreender os níveis de complexidade de cada segmento torna-se prejudicado.
    2. Familiar/acompanhante envolve-se profundamente no processo saúde-doença, cabe aos profissionais de saúde acolher-los e orienta-los em seu papel.
    3.É prerrogativa legal que toda manifestação acolhida pela instituição Ouvidoria seja instruída e e sua devolutiva deverá ocorrer em até 20 dias corridos (Decreto Estadual do Governo de São Paulo no. 60.399, de 29/04/2014).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *