CBio17-Câncer: melhor maneira de morrer?

 

jcnDra. JANICE CARON NAZARETH

O médico Richard Smith, ex-editor do British Journal of Medicine, criou certo alvoroço na Inglaterra ao afirmar, em janeiro de 2015, que o câncer é a opção mais digna de morte. Segundo ele: “…A morte por câncer é a melhor. Você pode dizer adeus, refletir sobre sua vida, deixar últimas mensagens, talvez visitar lugares especiais pela última vez, ouvir suas músicas favoritas, ler poemas queridos, e preparar, de acordo com suas crenças, o encontro com seu criador, ou desfrutar esquecimento eterno…”.

 Oliver Sacks, escritor e neurologista, em artigo recente no NY Times, avisou  a todos que deverá morrer em breve, por câncer no fígado: “… Não posso negar que estou com medo. Mas meu sentimento predominante é de gratidão. Eu amei e fui amado; doei muito e retribuí; li e viajei e refleti e escrevi. Eu tive uma boa relação com o mundo, a relação especial de escritores e leitores. Acima de tudo, eu fui uma criatura sensível, um  animal  pensante neste planeta maravilhoso, e isso já é um enorme privilégio e aventura…”

 Recentemente, perdemos o Dr. Wagner Felipe de Souza Weidebach (Waguito)- 1961-2015-, reumatologista e intensivista, colega fantástico, que trabalhou muitos anos nos hospitais Sírio Libanês e Oswaldo Cruz. Ele fora operado de câncer de intestino há 5 anos, com metástases há 3 anos, período em  que se submeteu a vários tratamentos com má resposta e progressão inexorável da doença, com várias internações, inclusive em UTI, decidindo, junto de seu oncologista, por tratamento paliativo.

Waguito foi fiel ao que conversávamos quando muito mais jovens e totalmente saudáveis: trabalhou até 15 dias antes da morte, quando fechou seu consultório e se despediu da secretária, colegas, pacientes, tomou as medidas administrativas necessárias, optando por ficar em casa enquanto possível,  visitado por seu oncologista e amigo regularmente.

Após esse período, já com dor e falta de ar insuportáveis, internou-se para a sedação final, não sem antes rever seus momentos de amor com a família e de dar orientações preciosas aos jovens filhos, e, até, de enviar, como de costume fazia desde os tempos de namoro, rosas vermelhas à sua esposa.

À missa de sétimo dia, com igreja repleta, a família falou sobre sua experiência privilegiada. Disse um colega: “…Nunca se queixava, apesar das dores constantes, de  seus males e suas possibilidades, e falava naturalmente sobre as condutas a serem tomadas. Um grande ensinamento para todos a sua volta…”

É fácil entender o alvoroço em torno da “melhor morte por câncer”, em uma sociedade que privilegia o belo artificial, o conforto e a matéria, na qual o contato humano, principalmente espiritual, é deixado para planos secundários, estimulando, como primeiro plano, convívios supérfluos e sensações de falso prazer, muito distantes daquelas que o desenvolvimento espiritual proporciona, uma sociedade onde o chorar e o sentir dor passaram não só a serem  amenizados, mas totalmente impossíveis de serem tolerados.

Se perguntasse a meus amigos e pacientes sobre a maneira como gostariam de morrer, todos diriam que subitamente e, de preferência, dormindo, e confesso que também compartilhava dessa opinião, pois a achava fácil, tranquila, sem sofrimento e uma verdadeira bênção para quem se vai.

Hoje, porém, após participar de várias experiências com pacientes e amigos em fim de vida, não só em câncer, mas outras doenças que preservam a mente, pude ver essa realidade, colocada em artigos pelos colegas Smith e Sacks, e em atitude pelo colega Waguito: precioso esse tempo de rever sua vida, de se reconciliar com pessoas e situações antes não solucionadas, de ensinar àqueles que ficam a dignidade da aceitação do inevitável, de poder se despedir e  agradecer pelas coisas boas por que passou.

Difícil, sim, mas de uma riqueza sem par!

2 comentários sobre “CBio17-Câncer: melhor maneira de morrer?

  1. Um poema em http://www.meiotom.art.br/MORTALIS.pdf:

    Manuel Bandeira assim se expressou ao saber da morte do amigo Mário de Andrade nesse fragmento do poema “A Mário de Andrade Ausente”:

    Mas agora não sinto sua falta.
    (É sempre assim quando o ausente
    Partiu sem se despedir:
    Você não se despediu.)
    Você não morreu: ausentou-se.
    Direi: Faz tempo que ele não escreve.
    Irei a São Paulo: você não virá ao meu hotel.
    Imaginarei: Está na chacrinha de São Roque.
    Saberei que não, você ausentou-se. Pra outra vida?
    A vida é uma só. A sua vida continua
    Na vida que você viveu.
    Por isso não sinto agora a sua falta.

  2. Paulo Furtado disse:

    Querido Dr Wagner,
    É com grande tristeza que hoje e somente, hoje soube que vc nos deixou. Durante 15 anos tivemos pelo menos um contato anual, e somente no ano passado pulei essa etapa. Saiba os seus, que tinha uma admiração pelo seu trabalho e o orgulho de te-lo como “meu médico”. Neste momento me sinto sem chão, mas desejando que vc descanse em paz, vai com Deus, meu médico, meu amigo. Um abraço do seu eterno paciente e amigo!! Paulo Furtado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *