170- O caráter do futuro médico. Matéria do currículo acadêmico?

Two costumed men pose near San Marco square in Venice 27 January at the beginning of the Venice Carnival "Sensation". .AFP PHOTO / CHRISTOPHE SIMON (Photo credit should read CHRISTOPHE SIMON/AFP/Getty Images) HORIZONTAL

San Marco square Venice Carnival “Sensation”. .AFP PHOTO / CHRISTOPHE SIMON (Photo credit should read CHRISTOPHE SIMON/AFP/Getty Images)
HORIZONTAL

A beira do leito não para de pensar num amanhã melhor. Nunca está satisfeita com o possível de hoje. Pesquisadores científicos, desenvolvedores de tecnologia e educadores médicos são continuamente cobrados por inovações e renovações. O protagonismo de um médico-cidadão é idealizado para almejar, superar e realizar.

Nesta avidez  de qualidade, médicos do Departamento de Medicina da Universidade de Chicago apresentaram, recentemente, os resultados de uma pesquisa de opinião de estudantes de Medicina motivada por reformas curriculares que valorizaram o desenvolvimento do caráter na educação médica. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4575457/pdf/13104_2015_Article_1434.pdf

Quaisquer proposições para a eficiência do ser médico interessam à Bioética da beira do leito. Eu costumo ouvir a palavra caráter  aplicada a pacientes e a médicos com certa frequência de estudantes de Medicina e de jovens médicos durante debates sobre comportamentos e o Princípio da Autonomia. E como a referência a caráter costuma vir acompanhada dos termos temperamento e personalidade com interpretações superpostas de significado, passei a utilizar um diapositivo com conceitos para facilitar a exposição das diferenças (Quadro I).SlidesCarater1

Um jovem idealista da Medicina pode ter um temperamento mais reticente ou mais explosivo, uma personalidade que contribui para abrir portas com mais ou mesmo facilidade, mas, segundo Elmer G. Letterman (1897-1982), é o caráter que as mantém – ou não- abertas. No ambiente da beira do leito, estilos, expressões e reações sustentam o profissionalismo, preparação e capacidade para levar o trabalho a sério com sensibilidade moral,  flexibilidade  a novos horizontes, criatividade, medicina narrativa, comunicação não-violenta e comportamento sempre confiável. Continue lendo