151- Agradando o paciente, desagradando a Ética. Em três atos.

hoje-e-dia-do-teatro-aprenda-a-fazer-lindas-mascaras-103527-2

Médico tem sentimentos. Médico tem compromisso com a Ética. Sentimentos são pessoais. Ética é profissional e apresenta mudanças periódicas.

Eu, por exemplo, estou na obediência à quarta versão  do Código de Ética Médica desde a formatura (1967-1984, 1984-1988, 1988-2009, 2009-…). Já a disposição para sentir a relação médico-paciente persiste inalterada.

Há uns bons anos, o InCor conta com uma Oficina de Bioética. Um dos métodos é o Teatro. Jovens profissionais da saúde e funcionários representam circunstâncias de conflito sem script pré-definido, apenas com a definição da situação em que o médico é “bombardeado” por questionamentos e por insatisfações. Um pedagógico interativo com a platéia acontece após os 15 minutos de atuação.

O objetivo é que os partícipes criem um estado intrapessoal e interpessoal que contribua para a melhor compreensão dos fatores intervenientes em  conflitos da beira do leito e para o  precioso desenvolvimento da comunicação dialógica com fundamentação na Bioética.

Os 3 atos abaixo têm a finalidade de ilustrar a inter-relação social, ética e legal que orbita no poder da caneta e do carimbo do médico e seus desdobramentos.

 Ato 1

Cenário: Corredor do hospital

    Personagens: Paciente e médico

– Doutor, eu sou o José Manoel, primo do Antonio da Internação. É que eu faltei ao serviço e me disseram que se eu levar um atestado médico, eles abonam a falta… É uma caridade doutor, as crianças, são quatro, uma escadinha, precisam comer e, ultimante, está tudo tão difícil… O patrão não entende… O Antonio disse que o senhor era uma pessoa muito boa.

–  Ele disse…

– E também que ele tinha certeza que o senhor iria me ajudar e a minha família, que iria fazer esta caridade.

-Ah!…Qual foi o dia, José Manoel?

– É… na verdade, doutor, foram 5 dias… passei muito mal… o senhor sabe como é, o senhor estudou. 

O médico entra no Consultório, o paciente fica em pé na porta olhando para dentro.

– Aqui está o atestado, pus que foi  uma forte gripe, mas só desta vez, se quiser outro atestado, venha aqui enquanto estiver doente, para examiná-lo.

– Não sei como lhe agradecer, doutor, que os seus pacientes tenham muita saúde.

-É, José Manoel, você não está sabendo mesmo… Muita saúde…

-O que foi doutor?

Nada, nada. Passe bem… Para não precisar de atestado.

 

Médico entra no consultório com os holofotes apagando lentamente

Não se percebe o pano fechando depois Continue lendo