BioAmigoBR 70- Você é caxias?

3632067203_e7eaa01c9c_m

Estátua de bronze do Duque de Caxias na Praça Princesa Isabel, São Paulo, obra de Victor Brecheret, inaugurada em 1960.

Hoje, 7 de maio é aniversário da morte do marechal Luis Alves Lima e Silva (1803-1880), o Duque de Caxias de grandes realizações militares e políticas para o Brasil no reinado de D. Pedro II.

Dizem que uma das glórias de uma pessoa é ter o seu nome grafado com inicial minúscula após a sua morte, em função do que realizou em vida.  Caxias é dos pouquíssimos brasileiros que se tornaram, desta maneira, verbete no Dicionário.

Caxias tornou-se uma metonímia, uma figura de linguagem em que  uma palavra substitui outra com  relação de proximidade de sentidos. 

No caso é uma troca do indivíduo pelo caráter.

Trago ao bioamigo o significado de caxias no aurelio- outra metonímia, troca do autor pela obra:

1. Que ou quem é extremamente rigoroso no cumprimento das suas funções.
2 Que ou quem exige aos seus subordinados o máximo de empenho, rendimento, responsabilidade e profissionalismo.

Você é um caxias?

111-Um mosquito com vírus e a Bioética

hqdefault

Há algumas semanas a manchete era sobre o vírus Ebola. A atual é sobre o vírus da Dengue. Numa linguagem moderna, os vírus  tornaram-se assunto viral. Interesse coletivo, necessidade inevitável, vontade geral.

O nome vírus vem do latim. Ele significa gosmento, nojento, venenoso. É agente filtrável que utiliza um hospedeiro humano para se propagar. Um migrante  desde os animais da floresta para o homem das cidades. Segundo o biólogo da evolução Jared Diamond (nascido em 1937) em seu livro Armas, Germes e Aço, presentes letais de animais ao serem domesticados: vírus do sarampo  e da varíola a partir do gado vacum, vírus da gripe a partir de porcos e de patos, que sofreram adaptações.

No caso da Dengue, fêmeas do mosquito Aedes aegypti contaminadas pelo arbovirus (arthropod-bornvirus) agente causal da doença, produzem ovos com o vírus, transmissão vertical que gera  novos mosquitos propagadores da doença para o ser humano. O Aedes aegpyti “urbano” brasileiro tem ancestral que vivia na floresta africana abaixo do Saara e que pegou carona em navios negreiros. Por curiosidade,  dunga  era o nome da doença, pouco depois mudado para dengue, em Cuba, durante a epidemia de 1828. Este mesmo país está ligado à identificação do Aedes aegypti  como transmissor da febre amarela  pelo estadunidense Walter Reed (1851-1902) na transição do século XIX para o século XX.  E pensar que o  vilão Aedes aegypti mede menos do que 1 cm… Continue lendo