BioAmigoBR 38- Efígies mulheres em cédulas do cruzeiro

50

O Brasil já teve várias moedas. De 1822 a 1942, foi o réis. Desde então, cruzeiro, cruzeiro novo, cruzeiro mais uma vez, cruzado, cruzado novo, cruzeiro novamente, cruzeiro real e real.

Há poucas mulheres brasileiras como efígie.

A  carioca Princesa Isabel (Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon, 1846-1921) foi estampada em duas cédulas do cruzeiro, uma em 1949 e outra em 1981.

200

Princesa Isabel, cédula lançada em 1981

 

 

 

 

 

 

 

A carioca poetisa Cecília Benevides de Carvalho Meireles (1901- 1964) foi estampada também em cédula do cruzeiro, lançada em 1989.

100

Cecília Meireles, cédula lançada em 1989

102-Má ética, má ciência

Baruch Samuel Blumberg 1925-2011)

Baruch Samuel Blumberg (1925-2011)

Saul Krugman (1911-1995)

Saul Krugman (1911-1995)

Willowbrook State School, Staten Island, New York

Willowbrook State School, Staten Island, New York

Um dos direitos do voluntário em pesquisa clínica é estar protegido de danos, invalidez ou morte causado pelo método em estudo.

Há vários exemplos de pesquisas conduzidas no século XX com evidentes falhas éticas. Eles tornaram-se alertas históricos reversores, assim contribuindo para a eticidade exigente dos tempos atuais.

O aperfeiçoamento da Ética em Pesquisa teve 3 documentos capitais: o Código de Nuremberg, em 1947, a Declaração de Helsinki, em 1964 e o Relatório Belmont, em 1979. Eles concorreram para relembrar o ensinamento de Claude Bernard (1813-1878): “… O princípio da moralidade médica e cirúrgica consiste em nunca realizar no homem um experimento que lhe possa ser danoso, em qualquer intensidade, até mesmo se o resultado pudesse constituir-se num grande avanço para a ciência…”. Ademais, o trio sustentou a aplicação dos novos princípios da autonomia e da equidade, assim, reforçando, não somente o benefício e o consentimento, como também a hipocrática Não Maleficência que estava sendo desrespeitada. Em consequência, o significado de sujeito da pesquisa adquiriu uma mais correta dimensão humana.

Vou abordar neste post o que aconteceu no Willowbrook State School na Staten Island, New York, uma escola para crianças com Deficiências Intelectuais. No período de 1956 até 1971, mais de 700 internos foram envolvidos numa pesquisa sobre o “período de incubação” e o desenvolvimento da manifestação clínica da hepatite. Eles foram inoculados com material de pessoas doentes e recebiam gama globulina obtida de  indivíduos  que tiveram hepatite, sob a hipótese de atenuação do quadro clínico. Continue lendo