HM13-Atrevo-me, logo avanço

Captura de tela 2014-12-14 11.43.14

Radiografia original de 1929

forssmann

Werner Theodor Otto Forssmann 1904-1979

Captura de tela 2014-12-14 12.29.07

Hospital onde Forssmann realizou a sua ousadia Foi renomeado em sua homenagem

alavanca“…Dê-me uma alavanca e um ponto de apoio e eu moverei o mundo…” . Se Arquimedes de Siracusa, o autor desta frase, fosse médico na atualidade, diria: “…Dê-me um cateter e um contraste e eu alavancarei um mundo de diagnóstico e intervenção terapêutica…”.

Neste exato momento, há um médico usando o estetoscópio, outro um transdutor de frequência e mais um manejando um cateter por dentro de algum vaso sanguíneo. Os dois primeiros não invadem o corpo do paciente e vale-se de propriedades do som.  Eles “sugam” informações naturais.

Já o cateter movimenta-se por locais tão-somente percorridos pelo sangue do paciente, até então, e lhe acrescenta um contraste que permite tornar a circulação radiopaca e, se necessário, restabelecida convenientemente por um estranho bem-vindo dispositivo terapêutico.

Foi um alemão, Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832) quem nos legou dois pensamentos para nunca esquecermos: “…Pensar é fácil. Agir é difícil. Agir conforme o que pensamos, isso ainda o é mais…” e “…Ideias ousadas são como as peças de xadrez que se movem para a frente; podem ser comidas, mas podem começar um jogo vitorioso…”.

Foi outro alemão que seguiu Goethe, tornou-se um transgressor e venceu pela determinação na sua ideia. Os colegas engajados na Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista  devem  reverência a quem deu o primeiro lance para a vitória. O seu nome é Werner Theodor Otto Forssmann (1904-1979), o pioneiro antes de André Cournand (1895-1988),  Dickinson  Woodruff Richards (1895-1973), F. Mason Sones(1918-1985), Andreas Roland Grüntzig (1939-1985), o nosso inesquecível Siguemituzo Arie (1937-2000) e  José Eduardo Moraes Rego Sousa.  Continue lendo