HM6-A Penicilina acabou…

alexander-fleming

Alexander Fleming

NormanHeatleyFármacos são mágicos. Possuem o poder do alívio e da cura. Eles ligam descobridores, indústrias, médicos, enfermeiros, farmacêuticos, voluntários de pesquisa e pacientes.  Sustentaram a revolução terapêutica do século XX e inseriram-se no mundo tecnológico em prol da pureza, estabilidade e qualidade. A padronização foi um ganho relevante para a Humanidade, pois se tornou fator do sucesso ao qualificar a cadeia produção, indicação, dose, via de administração e evitação de toxicidade.

A maioria das pessoas já tomou penicilina ou algum de seus derivados como a amoxicilina. Foi o inglês Alexander Fleming (1881-1955 ) quem, em 1929, a descobriu. Mas Fleming não se interessou pelo seu uso clínico, que teve início cerca de uma década depois. Doenças até então incuráveis mudaram de categoria de prognóstico.

Hoje é muito fácil dispor da penicilina. É ter uma prescrição médica e ir à Farmácia. Contudo, os primórdios da sua utilização tiveram lances dramáticos que exaltam o valor dos médicos pioneiros. O inglês Norman George Heatley (1911-2004) da Oxford University foi um deles, tendo dado importante contribuição para segurança do uso da fórmula a ser injetada. Continue lendo