HM1-Mary Tifoide

A preocupação em identificar eventuais propagadores do Ebola, o mais temido clandestino do transporte aéreo da atualidade, traz à mente situações onde a chegada de única pessoa traz uma infecção, registradas pela história da Medicina.

Uma delas diz respeito a Mary Mallon (1869-1938), protagonista da condição de portadora não sintomática da doença que provavelmente matou Alexandre, o Grande e deixou viúva a rainha Vitória.

No início do século XX, Mary  empregou-se como cozinheira numa casa de família. Duas pessoas que frequentavam a residência  adoeceram com o diagnóstico de febre tifoide. Continue lendo

08-Poder pode. Pudera!

Em tempo de efervescência política parece interessante relembrar o psicólogo americano Rollo May (1909-1992). Ao tratar da triangulação poder, inocência e violência, no livro Poder e Inocência- editora Artenova, 1974 – ele  refere que quando a auto-afirmação (crer no seu valor) falha, o passo seguinte é o uso de seus poderes (auto-reconhecimento) para enfrentar oposições e sendo insuficiente, a reestruturação do poder  caminha para a agressão, que é ato de entrar no território do outro: “aqui estou eu, você pode chegar até este ponto, não mais”.

May  conceitua o poder como a capacidade para causar ou impedir mudanças, o que pode ser exercido como poder latente- possibilidade no futuro- ou poder em ação. Ele apresenta 5 modalidades: Continue lendo